Priorize o autocuidado, porque precisamos estar bem para cuidar do outro.

Priorize o autocuidado, porque precisamos estar bem para cuidar do outro.

A pandemia tem levado a prejuízos na saúde mental dos profissionais que estão na linha de frente, com altos índices de sofrimento psicológico, insônia, aumento do alcoolismo e uso de substâncias ilícitas, transtorno de estresse pós-traumático, ansiedade e depressão, e bournout.1 Os pacientes estão morrendo, a carga de trabalho está elevada, o sofrimento dos familiares chega a ser insuportável e estamos renunciando as nossas vidas para salvar a vida do outro. Não temos mais tempo livre e os dias resumem-se em trabalho e mais trabalho.

 

Porém no meio de todas as faces do sofrimento causadas pelo COVID-19 surge a pergunta:

Como podemos cuidar do outro se não cuidamos de nós mesmos?

A resposta é simples: Não podemos!

Precisamos estar bem para ofertarmos cuidado.

Neste momento opto pela licença poética e me permito ser informal, afinal como disse Nando Reis O mundo está ao contrário e ninguém reparou. Que tal começar a repensar a vida e se colocar como protagonista de sua história? Que tal reservar um tempo para você? Que tal começar a exercer o autocuidado?

O autocuidado é definido como qualquer prática voltada para manter a qualidade de sua saúde e bem-estar em uma abordagem multidimensional.2 Ter autocuidado é opcional, mas deveria ser encarado como necessidade. Para facilitar a compreensão, trago a famosa e talvez batida metáfora do avião.

Antes do avião decolar é comum os comissários de bordo fazerem a seguinte recomendação: “Em caso de despressurização máscaras de oxigênio cairão automaticamente. Puxe uma delas, coloque-a sobre o nariz e a boca ajustando o elástico em volta da cabeça. Caso esteja acompanhado, coloque a máscara primeiro em você para só então ajudar o outro. ”

Por que esta recomendação é tão importante???

Porque casos de  baixa concentração de oxigênio (O2) no sangue arterial não são tolerados pelo sistema nervoso central devido a seu alto consumo de O2 e baixa reserva energética. O tecido cerebral não é capaz de estocar O2 e sobrevive apenas alguns minutos após a redução crítica de seus níveis, ao ponto que em casos agudos de anóxia (privação total), a consciência geralmente é perdida em apenas 15 segundos.3 Ou seja, se você não colocar a máscara primeiro em você, não conseguirá ajudar mais ninguém, incluindo a si próprio.

Nós estamos vivendo um dos piores momentos das nossas vidas e talvez o pior momento da pandemia. Olhando por este ângulo parece egoísmo pensar em nós mesmos enquanto outras pessoas estão morrendo, mas repito “nós precisamos estar bem para podermos cuidar do outro”. Não é preciso escolher entre vida profissional e pessoal, nós podemos optar por priorizar as duas!

O autocuidado é individual, as vezes é até filosófico e tem que fazer sentido. Vai muito além de cuidar da saúde física e abrange o cuidado psicológico, familiar / social e espiritual. A seguir trago algumas dicas de como exercer o seu direito ao autocuidado.

AUTOCUIDADO FÍSICO

  • Faça qualquer forma de atividade física. Use a academia do prédio, a piscina, faça caminhadas ou dance na sua sala. Caso prefira, faça (por exemplo) aulas de pilates em casa com orientação de professores por vídeo chamada. Também é possível fazer treinos completos de forma gratuita por aplicativos e videoaulas pela internet.
  • Tente respeitar as horas de sono, evite atividades ou substâncias psicoestimulantes (por exemplo: mexer no celular ou computador, ingerir cafeína ou energéticos) próximas a hora de dormir.
  • Tente se alimentar adequadamente sempre que possível. O plantão está difícil, mas será que você não poderia parar por uma hora (ou menos) para respirar e se alimentar enquanto algum colega cuida dos pacientes? Beba água!
  • Prefira alimentos saudáveis, mas saiba que é permitido esbanjar de vez em quando e comer algo que te faz feliz, mesmo que nem seja tão saudável assim. Porém, cuidado com as compulsões alimentares! Se puder, procure um bom nutricionista para maiores informações.
  • O abuso de álcool e drogas até pode levar a uma sensação momentânea de prazer e alívio, mas nunca será a resposta para os problemas e ainda pode aumentar o sofrimento e virar doença. Fique atento ao aumento na busca por essas substâncias.
  • Cuide de sua saúde física, não esqueça de seus remédios de uso regular, procure um médico sempre que for necessário.
  • Entenda os seus limites e aceite ajuda de algum especialista. Nem sempre podemos controlar um transtorno de ansiedade e depressão com mudanças de hábitos de vida, muitas vezes precisamos da ajuda de um psicólogo e/ou de medicações. Lembrando que estas só devem ser usadas sob recomendação médica.
  • Atenção! Sensação contínua de angústia, preocupação, irritabilidade, insônia ou falta de concentração, falta de performance no trabalho, isolamento social, somatização (cefaleia, tensão muscular, outros) e desesperança podem ser sinais e sintomas de bournout!4 Respeite as suas limitações. As vezes dizer não é necessário e, neste caso, se afastar não é fraqueza e pode ser necessidade!
  • Aceite que você precisa tirar férias!
  • Use máscara, lave as mãos, passe álcool gel, evite aglomerações, respeite o isolamento social.
  • Caso seja importante, cuide de sua autoimagem (pintar o cabelo, vestir uma roupa bonita, pintar as unhas, fazer a barba…).

AUTOCUIDADO PSICOLÓGICO / INTELECTUAL

  • Faça psicoterapia. Permita-se chorar, gritar e extravasar a raiva.
  • Faça um diário, escreva uma lista das razões que te dão forças para seguir em frente e releia sempre que tiver vontade de desistir.
  • Peça ajuda a seus amigos sempre que precisar. Você não precisa sofrer sozinho. Suportar a dor sozinho não te fará mais forte e nem evitará o sofrimento daqueles a sua volta. Muitas vezes a troca é essencial.
  • Tente enxergar o mundo com outros olhos, que tal passar a ver o copo meio cheio ao invés de meio vazio?
  • O outro não tem culpa pelos seus problemas. Trate todos da forma que gostaria de ser tratado. Peça perdão quando estiver errado, perdoe os outros e a si próprio quando necessário.
  • Sobre os problemas da vida: alguns são urgentes e precisam de ação imediata, outros podem esperar e outros não tem solução! Tente não permitir que sua saúde mental seja abalada por problemas que não têm solução, afinal os problemas sempre vão existir, o que tem que mudar é a forma como você os enxerga e o quanto você vai permitir que eles afetem a sua vida.
  • Atenção a possibilidade de fadiga por compaixão.
    • Fadiga por compaixão é a fadiga física, espiritual e mental desencadeada pela empatia à dor do outro. Ocorre quando passamos a sofrer pelos problemas de nossos pacientes. Como se de tanto vivenciar os relatos de medo, dor e sofrimento, nós passássemos a experimentar sentimentos similares, simplesmente porque nos importamos com eles.5
    • Entenda que você tem limitações e que errar faz parte da vida, que nem sempre vai conseguir salvar ou ajudar os outros e que isso não vai te tornar uma pessoa má, não profissional ou incompetente, apenas te tornará humano.
    • Saber o limite entre possibilidade de cura e obstinação terapêutica é muito difícil. O sofrimento é individual e o paciente (e seus representantes legais ou familiares) é o responsável por definir como aceitaria viver ou deixar de viver a própria vida. Entenda e respeite o tempo das famílias e da equipe. Não coloque os seus valores sobre o outro. Caso a possibilidade de distanásia gere sofrimento, tente desviar o foco para o que você pode fazer de bom para o próximo, seja no manejo de sintomas ou acolhimento da família e da equipe.
    • Se a cura não é mais possível, permitir a morte não é matar. Nem sempre vamos conseguir salvar, mas temos muito o que fazer para aliviar qualquer forma de sofrimento dos pacientes e de seus familiares.
  • Exerça a satisfação por compaixão: ajudar o outro traz alívio da tensão e estresse em nível fisiológico, ter satisfação por sentir-se capaz de ajudar as pessoas que estão sofrendo. A satisfação por compaixão é o que faz com que a maioria dos profissionais não adoeça.5
  • Ressignifique este momento, pense que está fazendo a diferença na vida de alguém.
  • Leia um livro não relacionado ao seu trabalho, escute uma música que você goste, dance, cozinhe, brinque com seu animal de estimação, assista filmes ou séries.
  • Aprenda um novo idioma, estimule a sua criatividade.
  • Caso seja importante para você, estude temas relacionados ao seu trabalho.
  • Tente dar um tempo dos noticiários, ficar ouvindo sobre hospitais lotados e número de mortos pode aumentar a ansiedade.

AUTOCUIDADO ESPIRITUAL

  • Se fizer sentido, reestabeleça seu equilíbrio com terapias integrativas, como Reiki, yoga, meditação, outras.
  • Conecte-se com o seu sagrado. Faça orações, frequente a sua comunidade religiosa mesmo que a distância.
  • Conecte-se com o que é importante, lembrando que a espiritualidade vai além da religião, pode estar em algum momento de sua vida, em alguma pessoa que seja importante ou em algum lugar no universo.
  • Aceite as crenças do outro. Entenda que a fé no milagre não é negação e que talvez o recurso religioso seja o que dá forças para os familiares seguirem em frente.
  • Exercite a resiliência e a empatia.

AUTOCUIDADO FAMILIAR E SOCIAL

  • Proteja a sua família e amigos! Use máscara, lave as mãos, passe álcool gel, evite aglomerações, respeite o isolamento social.
  • Dê valor a quem você ama e quer bem! Mantenha contato com quem é importante para você. Ligue, faça vídeo chamada, demonstre que se importa!
  • Será que não está na hora de esquecer algum desentendimento do passado que talvez nem importe mais? Se o mundo acabasse hoje, você se arrependeria de não ter pedido perdão ou perdoado?
  • Reserve tempo para o seu parceiro. Façam coisas juntos.
  • Tenha tempo para os seus filhos, valorize o tempo que tem com eles de forma plena.
  • Planeje a sua vida, quem sabe não está na hora de priorizar a vida pessoal à profissional.
  • Tenha sensibilidade para perceber que os seus amigos ou colegas de trabalho também têm problemas, ajude sempre que for possível. Tenha empatia. Mas respeite os seus limites, nem sempre podemos e estamos bem para ajudar o próximo, e isto não significa que a gente não se importa.
  • Marque encontros sociais por videochamada, converse sobre temas não relacionados ao trabalho ou à pandemia.
  • Economize o seu dinheiro dentro do possível, evite gastos desnecessários, reinvente-se.
  • Trabalhe com o que você ama! Caso o seu trabalho esteja te fazendo mal, avalie a possibilidade de buscar novos horizontes. Caso não seja possível, tente focar nas coisas positivas do que você faz.

Por fim, é importante ressaltar que o autocuidado é individual e precisa fazer sentido! Não adianta insistir em exercício físico e espiritualidade se estas atividades não combinam com você. As vezes seu autocuidado pode estar em ficar o fim de semana inteiro assistindo uma série ou lendo um livro no sofá de casa. Não ter tempo é relativo. Nós somos os donos da nossa agenda e temos tempo para tudo, desde que vire uma prioridade!

Cuidem-se, respeitem os seus limites e tentem focar nas coisas boas que estão fazendo!  Apesar de todo sofrimento que a pandemia trouxe, não podemos esquecer que ela também nos desafiou a darmos o nosso melhor, a nos reinventarmos, a sermos solidários e a salvarmos vidas.

Seguimos na luta e torcendo por dias melhores.

Referências

  1. Stuijfzand S, Deforges C, Sandoz V, Sajin CT, Jaques C, Elmers J, Horsch A. Psychological impact of an epidemic/pandemic on the mental health of healthcare professionals: a rapid review. BMC Public Health. 2020 Aug 12;20(1):1230.
  2. Waris Nawaz M, Imtiaz S, Kausar E. Self-care of Frontline Health Care Workers: During COVID-19 Pandemic. Psychiatr Danub. 2020 Autumn-Winter;32(3-4):557-562.
  3. Laghi F, Tobin MJ. Indications for Mechanical Ventilation. In: Tobin MJ. Principles and Practice of Mechanical Ventilation. 3rd ed. New York, McGraw-Hill, 2012: 101-35.
  4. Albott CS, Wozniak JR, McGlinch BP, Wall MH, Gold BS, Vinogradov S. Battle Buddies: Rapid Deployment of a Psychological Resilience Intervention for Health Care Workers During the COVID-19 Pandemic. Anesth Analg. 2020 Jul;131(1):43-54.
  5. Hunsaker, S., Chen, H.‐, Maughan, D. and Heaston, S. (2015), Factors That Influence the Development of Compassion Fatigue, Burnout, and Compassion Satisfaction in Emergency Department Nurses. Journal of Nursing Scholarship, 47: 186-194.

 

Texto escrito por Daniere Yurie Vieira Tomotani, médica intensivista pela UNIFESP, mestrado em Tecnologias e Atenção à Saúde pela UNIFESP, pós-graduação em Neurointensivismo e em Cuidados Paliativos pelo Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa.



1 comentário em “Priorize o autocuidado, porque precisamos estar bem para cuidar do outro.”

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: